Reflexos de Gonçalves

Já faz algum tempo que queríamos conhecer Gonçalves em Minas Gerais. Embora a cidade seja pequena, com pouco mais de 4 mil habitantes, possui uma área rural repleta de atrativos para o turista. São inúmeras cachoeiras de águas cristalinas e de fácil acesso, como a cachoeira do Simão e a cachoeira das sete quedas, uma das mais bonitas da cidade.

Escondida na Serra da Mantiqueira em Minas Gerais, a pequena cidade possui uma desenvolvida rede Gourmet e Hoteleira, com inúmeras aconchegantes pousadas e restaurantes com uma diversificada gastronomia. O visitante tem que visitar os pequenos bairros/lugarejos ao redor da cidade para conhecer alguns dos restaurantes e atrações turísticas além de conhecer pessoas simples e acolhedoras da região.

Na cidade uma opção é o restaurante Janelas com Tramelas e na zona rural o restaurante da Vilma, localizado no Bairro dos Venâncios, com comida típica mineira no fogão à lenha. Para quem gosta de curtir a noite, as opções são o Janelas com Tramelas que tem uma boa música ao vivo e o charmoso bar Porto do Céu com MPB de qualidade e deliciosos pratos. A cidade possui também muitos ateliers e lojinhas de artesanato, com arte feita com material de reciclagem e coisas antigas.

Restaurante Janelas com Tramelas
Rua Cel. João Viêira, 65, Gonçalves – MG
Telefone: (35) 3654-1279

Restaurante da Vilma
Bairro dos Venancios, Gonçalves – MG
Telefone: (35) 99837-0896

_________________________________________________________________________
Texto: José Maria


Gruta do Anjo em Socorro

Visitamos neste feriadão a Gruta do Anjo na cidade de Socorro, SP. A cidade fica a 130 km de São Paulo, sendo considerada uma cidade turística com foco em esportes de aventura, rafting, cachoeiras, etc.

A Gruta do Anjo é formada pelos túneis abertos na rocha por  uma antiga mineradora que funcionou no local até 1995. A água que nasce na gruta forma uma piscina com águas límpidas com uma profundidade de cerca de 4 metros e uma área total de cerca de 3 mil metros quadrados. O reflexo da luz na água límpida tem uma cor  verde esmeralda  cuja tonalidade depende do angulo de incidência da luz (hora do dia) e da profundidade do local. Existem inúmeras carpas que tornam o lago da gruta ainda mais bonito.

Gruta do AnjoJá havia algum tempo que planejávamos ir à Gruta do Anjo para conhecer o local, analisar as condições de acesso, de iluminação e fazer um ensaio fotográfico.  Sabíamos que o local tem um grande potencial para belíssimas fotos, visitando os diversos sites  na internet que falam da gruta.

Escolhemos a sexta-feira de um  feriadão municipal da cidade de Campinas para pegarmos o local tranqüilo sem excesso de turistas.  O acesso à gruta é feito através da Pousada do Anjo, onde é cobrado o ingresso de R$25,00/pessoa. Após pagar o ticket continuamos por uma estradinha muito íngreme até a gruta, onde carros baixos podem ter dificuldades para subir. O estacionamento fica praticamente na entrada da gruta.

Gruta do AnjoAlém da câmera fotográfica, levamos tripé e flash para podermos nos adequar às condições de luz do local. Ao analisar os locais ideais para fotos no interior da gruta verificamos que seria impossível fazer fotos sem Flash em alguns pontos de interesse. Voltamos ao carro e buscamos o tripé e o Flash. Após algumas medidas de luz decidimos usar ISO entre 200 e 500 com abertura f/5,6 e velocidade entre 1/60s e 1/125s. Ajustei a potência do flash para uma boa exposição com os ajustes acima. Como não havia levado modificadores, o flash foi apontado diretamente para a modelo o que ocasionou sombras mais duras, talvez o ideal seria ter levado uma sombrinha refletora para suavizar as sombras.

Gruta do AnjoAlgumas Dicas

  • Leve uma lente com distância focal de 70mm ou mais pois o enquadramento ideal em alguns pontos da gruta necessita de zoom na lente.
  • Reserve pelo menos 2 horas para as fotos no interior da gruta e lembre-se que o horário de funcionamento é das 9:00hs ás 17:00hs.
  • Leve água para beber pois no local não existe água potável.
  • No verão a luz do sol entra pela fenda de entrada da gruta entre as 14:00hs e 16:00hs com um belo reflexo na água.
  • Evite ir aos sábados e domingos, pois o lugar pode ficar com turistas atrapalhando as suas fotos.
  • Leve uma sandália havaiana para a modelo usar nas movimentações no interior da gruta, pois é desagradável andar descalço através dos ambientes da gruta.
  • É proibido entrar na água, mas molhar os pés na água é permitido.
  • Leve flash e modificador (Ex. sombrinha) para suavizar a luz do flash.
  • Reserve um tempo para visitar a Feira Permanente de Malhas e Shopping da cidade, onde é possível comprar roupas com ótimos preços .
  • Uma dica para almoçar é o Restaurante Pennynsula Dom Raul (aberto para almoço apenas aos Sábados e Domingos). No caso de sua visita a Socorro for durante um dia de semana, a dica para almoço é o restaurante do Hotel Recanto da Cachoeira. Aproveite o almoço para percorrer a margem do rio próximo à cachoeira do rio do Peixe.
Pousada Gruta do Anjo
Estrada Socorro/Munhoz, s/n – Rancho Alegre, Socorro – SP, 13960-000
Telefone: (19) 3895-1357
www.pousadagrutadoanjo.com.brHotel Recanto da Cachoeira
R. Justino Tavares de Toledo, 160 – Saltinho, Socorro – SP, 13960-000
Telefone: (19) 3895-2626
www.hotelrecantocachoeira.com.brRestaurante Pennynsula Dom Raul
Rodovia Otávio de Oliveira Santos, km 2,5 – Bairro do Saltinho
Socorro, São Paulo, Brasil.
Telefones: (19) 3895-2626 ou 3895-7742
www.pennynsuladomraul.com.br
______________________________________________________
Texto: José Maria

Templo Zu Lai em Cotia

O Templo Zu Lai pertence ao monastério budista Fo Guang Shan e fica no municípo de Cotia, a 40 min de São Paulo. O Templo possui um grande pátio interno cercado por edificações típicas.

Templo Zu Lai

O Templo é cercado por uma grande área de jardins com lago japonês e inúmeras esculturas de Buda com diferentes poses e expressões. Lembre-se que o Zu Lai é um templo religioso e portanto as pessoas devem se comportar de forma mais respeitosa e contida na sua área.

Jardins Templo Zu Lai

O estacionamento para veículos é gratuito e fica ao longo das vias internas e em área específica após o lago japonês. Os enormes espaços vazios do Templo nos convidam para a meditação e para o silêncio.

O templo possui um bom restaurante vegetariano que fica aberto até as 14:30h, portanto programe-se para almoçar no restaurante do Templo. Existe também na área do Templo uma loja que vende deliciosos pães, uma lanchonete, um museu e uma pequena área para recreação de crianças.

Templo Zu laiOs visitantes devem observar algumas regras de boa conduta no interior do Templo:

  • Use roupas condizentes com um ambiente religioso (evite decotes, roupas curtas, shorts e bermudas). Dependendo das roupas, o visitante poderá receber uma manta para enrolar no corpo antes de entrar no Templo principal
  • Permaneça em silêncio no interior do Templo
  • Não fume
  • Não pegue nada que não lhe tenha sido oferecido
  • Animais domésticos não são permitidos na área do Templo
  • Não é permitido piquenique na área do Templo e também não é permitido o ingresso de produtos tais como, carnes e bebidas alcoólicas na área do Templo
  • Não é permitido fotografar e filmar nos recintos fechados do Templo.

Templo Zu Lai

Templo Zu Lai
Estrada Municipal Fernando Nobre, 1461
Jardim Pioneira, Cotia – SP, 06705-490
Tel. (11) 4612-2895
Horário de Funcionamento: fechado  segunda-feira, aberto de terça-feira à sexta-feira (das 12h00 às 17h00) e nos Sábados, domingos e feriados (das 09h30 às 17h00)
www.templozulai.org.br


Fotografando Paranapiacaba

Neblina em ParanapiacabaA pequena vila escondida na serra do mar com sua aura inglesa e constante neblina é um excelente destino para amantes da fotografia, sendo muito procurada por fotógrafos em busca de locação para ensaios fotográficos.

A neblina, que é mais comum no início da manhã e no final da tarde, compõe o cenário ideal para fotografar a Vila e a estação ferroviária com a famosa Torre do Relógio. Entretanto, dependendo das condições climáticas, a neblina pode aparecer ou desaparecer rapidamente em qualquer hora do dia.

Você pode entrar com tempo limpo em uma Casa de Chá e após tomar um chá com bolo, deparar ao sair com uma forte neblina nas ruas… Isto aconteceu com a gente neste último fim de semana!

ParanapiacabaParanapiacabaA origem da Vila de Paranapiacaba está ligada com a construção da primeira estrada ferroviária paulista que teve início em 1867 quando um grupo de britânicos vieram para o Brasil trabalhar e se instalou na região dando origem à Vila. Após a construção a Vila abrigou o centro de controle operacional e a residência dos funcionários da companhia inglesa de trens São Paulo Railway, esta companhia operava a estrada de ferro que realizava o transporte de cargas e pessoas do interior paulista para o porto de Santos.

Atualmente todos os imóveis de Paranapiacaba pertencem à prefeitura de Santo André que no início dos anos 2000 comprou da Companhia Ferroviária todas as terras e imóveis da Vila. Atualmente a Prefeitura administra a Vila de Paranapiacaba e arrenda os imóveis para fins comerciais e residenciais. Por esta razão, caso o objetivo das suas fotos seja comercial é necessário solicitar formalmente autorização da Prefeitura de Santo André para usar a Vila como locação.

ParanapiacabaMuseu ParanapiacabaQuando ir

A Vila fica deserta nos dias de semana, quando a maioria dos estabelecimentos comerciais não abre. Caso a presença de turistas não interfira no objetivo das suas fotografias, escolha o fim de semana para visitar Paranapiacaba. As fotos no interior e nos pátios do Museu do Sistema Funicular somente serão possíveis durante os fins de semana quando o mesmo está aberto para visitação das 10hs às 16hs.

Recomendamos a visita aos Sábados, pois o número de Turistas não é tão grande e o comércio está aberto, com opções de restaurantes, Casas de Chá, Casas de Artesanatos e visitas aos Museus.

Como ir

Indo de carro, existem duas possibilidades para chegar. A estrada asfaltada que liga a cidade de Santo André ao distrito de Paranapiacaba termina em uma área de estacionamento gratuito onde pode-se deixar o veículo e ir caminhando para a Vila atravessando a ferrovia por uma passarela sobre o pátio de trens.

Uma outra possibilidade de chegar é sair da estrada asfaltada e enfrentar ou últimos 7 quilômetros em um estrada de terra que leva até a Vila. Sugerimos a primeira opção, pois em caso da estrada de terra estar em más condições pode-se demorar até 30 minutos neste trajeto além de sujar o carro. Lembre-se que a Vila é muito pequena e que o carro não vai ajudar em nada, podendo até ser multado caso seja estacionado em local não permitido, nem sempre bem sinalizado.

Torre do Relógio de ParanapiacabaO que fotografar

A Estação Ferroviária Alto da Serra foi restaurada e hoje é a principal marca registrada de Paranapiacaba. A Torre do Relógio trás um certo ar nostálgico para a estação podendo ser vista de longe em diversos pontos da Vila. A Torre foi erguida em 1898 e lembra a famosa torre do Big Ben de Londres.

Os pátios e os prédios do Museu do Sistema Funicular é um local obrigatório para fazer fotografias. Com ingresso de R$5,00 (Julho de 2016) pode-se visitar o interior e os pátios com trilhos, trens e máquinas da antiga Empresa Ferroviária. Um turista comum pode achar que os prédios e máquinas estejam enferrujados e mal cuidados, mas para objetivos fotográficos a composição é perfeita com prédios antigos, trilhos e máquinas antigas contrastando com o verde da mata atlântica e o gramado dos pátios.

As pequenas casas marrons de madeira com arquitetura inglesa nos remetem para uma atmosfera aconchegante e bucólica. Se a sorte estiver do seu lado, poderá haver neblina nas ruas da Vila contribuindo para um ar ainda mais britânico.

Museu Castelinho de ParanapiacabaNo topo de uma pequena colina fica um casarão de arquitetura vitoriana, construído em 1897, como moradia do engenheiro chefe da vila. Hoje, o casarão abriga o Museu do Castelo, conhecido também como Castelinho. O museu está aberto para turistas conhecerem móveis antigos, documentos e equipamentos ferroviários. O casarão no todo da colina tem uma vista privilegiada para toda a vila ferroviária sendo um ótimo local para se fazer fotografias da estação e do pátio dos trens.

Finalmente, como as condições climáticas e a presença de neblina são imprevisíveis, fique preparado para eventualmente repetir tomadas fotográficas em locações “com presença” e “sem a presença” de neblina!

_______________________________________________________
Texto: José Maria e Imaculada


Fotografando os campos floridos de Holambra

Você gosta de fotografar flores como crisântemos, tulipas, rosas, margaridas e girassóis? Que tal uma visita aos campos floridos de Holambra em São Paulo?

tennessee-cowboy-16A pequena cidade de Holambra tem uma área rural repleta de campos com flores a perder de vista. A cidade é conhecida como Capital Nacional das Flores, sendo uma tradição herdada dos colonizadores holandeses que se mantém até hoje com cultivo de inúmeras espécies. O município de 14.000 habitantes é hoje o maior exportador de flores da América Latina!

Campo de feno em HolambraAs flores de Holambra estão presentes em várias propriedades rurais próximas. A visita àVer posts plantações deve ser feita com guias turísticos locais de forma agendada. O interessado deve informar à agencia de turismo qual o tipo de campo florido de interesse.

Dependendo da época do ano algumas flores podem não estar disponíveis nos campos ou estufas.

Outro ponto importante é definir para a agência de turismo se a visita desejada deve ser feita em plantação em campo aberto ou em estufas.

Bosque de EucaliptosA sessão de fotografias pode ser complementada com visitas a campos verdes de feno, em bosque de eucaliptos e nas atrações turísticas da cidade, como o famoso Moinho de Holambra.

 

Moinho de Holambra

O moinho de Holambra foi inaugurado em 2008, na comemoração dos 60 anos de imigração holandesa, sendo construído totalmente aos moldes da tradição holandesa.

Moinho de vento de HolambraAtualmente  é um dos principais pontos turísticos da cidade, sendo considerado o maior moinho da América Latina. O moinho tem cerca de 40 metros de altura e cada pá mede 12 metros de comprimento. O moinho funciona pela força dos ventos com a geração de uma tração motora de cerca 60 cavalos-força.

Theos Turismo
Lago Vitória Régia – Rua Primavera, 936
Holambra – SP
Telefone: (19)99168-2199
www.theosturismo.com.br

_______________________________________________________
Texto: José Maria e Imaculada


Reflexos de Campinas

Com origens remotas como bairro rural da Vila de Jundiaí, o bairro da freguesia de Nossa Senhora da Conceição (1774) se transformou em poucas décadas, na Vila de São Carlos (1797). Com forte presença da cultura cafeeira, a Vila de São Carlos cresceu e transformou-se  na cidade de Campinas em 1842.

A fama de “princesa do oeste” foi devido a sua posição geográfica e à riqueza proporcionada pela economia cafeeira na Província de São Paulo. A cidade teve um grande crescimento nas últimas décadas do século XIX e no início do século XX.

A industrialização veio nos anos 30, após a crise da economia cafeeira. Nos anos 60 foram construídos centros de educação, pesquisa e tecnologia, como a Universidade Estadual de Campinas (1966), o Instituto de Tecnologia de Alimentos (1969) e o Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações (1976).

Hoje a cidade de Campinas é o maior pólo tecnológico da América Latina, abrangendo uma Região Metropolitana com 19 municípios e uma população de 2,8 milhões de habitantes.
Neste artigo mostramos o lado fotogênico da cidade de Campinas, com belas fotografias de parques e distritos da cidade e região.

Vista noturna da Avenida Moraes Sales

Avenida Moraes Sales em Campinas

Bairro Nova Campinas, com o Templo Mormon e a Serra das Cabras no Horizonte

Bairro Nova Campinas com Templo Mormon e Seera das cabras ao fundo

Campo de Girassóis em Holambra

Campo de Girassóis em Holambra

Parque Ecológico Monsenhor Emílio José Salim

Parque Ecológico Monsenhor Emílio José Salim

Restaurante Villa Antiga (Alphavile)

Restaurante Vila Antiga, Alphaville

Corujas no Bosque dos Jequitibás

Corujas no Bosque dos Jequitibas

Centro de Convivência Cultural

Centro de Convivência Cultural, Campinas

Lua sobre o bairro Nova Campinas

Lua sobre o bairro Nova Campinas

Estação Marupiara em Joaquim Egídio

Estação Marupiara, Distrito de Joaquim Egídio, Campinas


Campo de Lavanda

Campo de LavandaImagine um campo de lavanda de cor violeta sob um céu azul profundo…respire fundo e experimente o verdadeiro aroma e a cor da Provence, como se estivesse na França…mas saiba que isso é possível aqui mesmo no interior de São Paulo!

Os campos de lavanda, que podem ser visitados durante todo o ano, é uma razão suficiente para visitar a bela parte serrana do leste do estado de São Paulo.

A melhor época para visitar a região é  de maio a novembro. O campo fica a cerca de 8 km da cidade de Cunha e o ideal é ir de de carro até o local que tem um acesso bastante íngreme.  No local tem uma loja com produtos feitos à base de Lavanda, sendo possível passear e fazer fotografias à vontade dos campos floridos. A cidade de Cunha, está situada na serra da Bocaina entre o vale do Paraíba e o litoral e tem uma altitude média entre 900 m e 1.300 m.

Campo de LavandaVários eventos  são realizados na região que também tem inúmeros ateliers de artistas com trabalhos em cerâmica.  Na loja do Campo de Lavanda pode-se encontrar produtos (ex. sabonetes, óleos essenciais, etc.) derivados da lavanda.

O óleo essencial extraído da Lavanda é utilizado como matéria-prima em produtos de  perfumaria, apresentando propriedades terapêuticas tais como  analgésico, antidepressivo, antisséptico, bactericida, descongestionante, hipotensor, repelente de insetos, etc.

Com um pouco de sorte pode-se ver o processo de destilação em pleno andamento com o ar cheio de perfume com a lavanda sendo esmagada para produzir o óleo essencial. O Óleo  pode ser usado também para aliviar o estresse  com a colocação de algumas gotas na água do banho.

Campo de Lavanda

Campo de Lavanda “O Lavandário”
www.lavandario.com.br
Estrada Cunha-Paraty, km 54,7
Aberto de sexta a domingo e feriados das 10:00hs até o pôr do sol.

Atelier de Artistas com arte em Cerâmica

Atelier Alberto Cidraes
Rua Manuel Prudente de Toledo, 461 – Cajuru – Cunha
Tel.: (12) 3111-1628
www.cidraes.com

Ateliê Suenaga e Jardineiro
Rua Dr. Paulo Jarbas da Silva, 150 – Mantiqueira – Cunha
Tel.: (12) 3111-1530
www.ateliesj.com.br

Oficina de Cerâmica
Av. Antonio L. Monteiro, 816 – Falcão – Cunha
Tel.: (12) 3111-1361
www.oficinadeceramica.com

Cerâmica Toledo
Av. Lavapés, 555 – Vila Rica – Cunha
Tel.: (12) 3111-2034 / (12) 9705.5102
___________________________________________________________________
Texto: José Maria


Fotografando Paris

Torre EiffelIndependentemente do número de vezes que você já tenha ido a Paris, existe em cada viagem algo novo para descobrir… Paris é a cidade mais visitada do planeta, com seus belos jardins e praças, museus, o rio Sena, os cafés, as pessoas, a moda… Para onde você olhar, há sempre algo para fotografar, um monumento para visitar, um café para curtir…. É impossível chegar a Paris sem sentir uma forte emoção batendo no peito!

Estivemos em Paris por 9 dias em junho de 2015 e compilamos neste post inúmeras dicas para que você possa aproveitar o máximo a sua viagem a Paris.

Defina o objetivo da sua Viagem a Paris

Como uma visita à cidade de Paris pode ter um número ilimitado de lugares e coisas para fazer, por razões de otimização de tempo, é muito importante que antes de qualquer outra coisa você defina o objetivo principal da sua viagem…Alguns objetivos principais poderiam ser:

  • Objetivo Cultural: desejo conhecer os museus de Paris
  • Objetivo Gastronômico: desejo conhecer a culinária Francesa
  • Objetivo Artístico: desejo assistir Shows e Espetáculos de Paris
  • Objetivo Fotográfico: desejo registrar em fotos diurnas e noturnas todo o esplendor da cidade luz
  • Objetivo de Compras: desejo fazer compras nos points de moda de Paris além de comprar produtos locais
  • Etc.

Obviamente você pode desejar fazer mais de uma das coisas acima, mas é muito importante que você defina o seu “principal” objetivo na visita à Paris.

Em nossa última viagem tivemos como objetivo principal fotografar a cidade e registrar a nossa presença da melhor forma possível. Portanto, vamos definir neste post este objetivo para exemplificarmos os desdobramentos no planejamento da viagem. Obviamente, um objetivo diferente pode levar a outro planejamento com algumas partes similares e com outras completamente diferentes.

Objetivo da Viagem: Fotografar Paris!

Se o seu objetivo for “Fotografar Paris” considere o fato que você deve minimamente dominar as técnicas de fotografia diurna e noturna e principalmente disponha de equipamento profissional ou semi-profissional para fazer o registro fotográfico. Caso você não disponha de conhecimentos de fotografia ou não disponha de equipamentos adequados você poderá se esforçar, mas os resultados poderão ficar muito comprometidos.

Em nossa viagem levamos os seguintes equipamentos:

  • 1 Câmera Fotográfica DSLR
  • 1 Controle Remoto para Câmera DSLR
  • 1 Flash externo
  • 2 lentes (1 Zoom de 28-300mm e uma fixa 50mm f1.8)
  • 2 Radio Flashes
  • 1 Filtro ND 8
  • 1 tripé pequeno para a câmera
  • 1 micro-tripé para o Flash
  • 2 baterias para a Câmera
  • 1 Carregador para as baterias
  • 4 Cartões de memória com 32 Gb cada.

Mochila da DSLR com equipamentos

Veja ao lado os equipamentos fotográficos acondicionados na mochila. A mochila com todos os equipamentos pesava cerca de 5 kg sendo que alguns equipamentos seriam levados apenas nos dias onde seriam necessários para o tipo de foto que iria ser feita (Ex. Flash para fotos noturnas).

Quando ir a Paris e quanto tempo ficar

Independente do objetivo da viagem a época ideal para viajar para Paris é na Primavera ou no Outono. O verão, além de quente, coincide com as férias na Europa dificultando reservas de hotéis além da existência de longas filas nos monumentos principais. No inverno o frio limita muito os deslocamentos e os passeios além de escurecer muito cedo.

O tempo necessário para a viagem tem a ver com o objetivo definido: “Fotografar Paris”. A nossa sugestão é que você busque na internet por referências fotográficas das atrações e locações interessantes para fotografias em Paris. Uma vez levantados os lugares de interesse para fotografar você deve estimar o tempo necessário para fazer as sessões de fotos e com isso terá a ideia de quantos dias serão necessários.

Procure fazer um planejamento diário antecipado dos trajetos e locais que deseja ir fotografar. Considere neste planejamento os dias de funcionamento e horários de abertura e fechamento dos museus e monumentos. Procure também analisar as condições de luz para definir se o melhor horário para a sessão fotográfica em determinado monumento é na parte da manhã ou no final da tarde. Tenha em mente que na primavera o sol nasce em Paris às 6:00hs da amanhã e se põe às 22:00hs.

Lembre-se que alguns monumentos podem exigir sessões fotográficas em diferentes horas do dia. Nós fomos 3 vezes na Torre Eiffel: uma vez com a iluminação matutina (6:00hs da manhã), outra no pôr do sol (às 22:00hs na primavera) e finalmente fomos à meia-noite para pegar a torre totalmente iluminada sob um céu totalmente escuro. Nos 9 dias que ficamos em Paris fotografamos praticamente todos os principais pontos de interesse, incluindo o Palácio de Versalhes.

Onde ficar em Paris

Sugerimos que seja escolhido um hotel bem localizado e bem servido por linhas de metrô pois com certeza você economizará muito tempo. Lembre-se que você deverá com certeza ter que passar no final da tarde no hotel para tomar um banho e trocar de roupa (importante para sair bem nas fotos noturnas) e também colocar na mochila os equipamentos adequados para as fotos noturnas. No final da sessão de fotos noturnas, será muito comum você retornar ao Hotel somente depois da meia-noite.

Outra dica é procurar otimizar os jantares para que até no máximo às 21:00hs você já tenha jantado e esteja partindo para as sessões fotográficas noturnas. Como a região próxima ao nosso hotel era repleta de restaurantes próximos (Passage Verdeau, Passage des Panoramas, Passage Jouffroy, etc), nós frequentemente comíamos nestes restaurantes antes de partir para a noitada de fotos.

Outra dica é sobre o café da manhã, inúmeras vezes saímos cedo do Hotel, antes de haver locais abertos para tomarmos café da manhã! Neste caso, lembre-se de comprar no dia anterior em um supermercado algo que você possa comer no quarto do Hotel antes de sair para as fotos no dia seguinte.

Como se locomover em Paris

Você vai para qualquer local em Paris utilizando o metrô. Lembre-se que o Metrô inicia a operação às 5:30hs da manhã e termina às 1:30hs da madrugada (2:30hs nas sextas e sábados). Andar de metrô e pelas ruas de Paris é muito seguro e com certeza muito mais seguro que andar pelos grandes centros urbanos no Brasil.

Como mapa, sugerimos que você utilize em seu celular os aplicativos:

Com o aplicativo “Paris Travel Guide and Offline City Map” você poderá ver o mapa da cidade na tela do seu smartphone com um “cursor” que, via GPS, indica onde você está sobre o mapa. Desta forma, para se orientar, basta você olhar o sentido que o circulo está se deslocando no mapa. O aplicativo “Paris Metro Map and Route Planner” permite que você consulte e planeje o seu trajeto pelas linhas de metrô de Paris no seu smartphone.

Onde ir em Paris

Como dito anteriormente, procure fazer um planejamento diário antecipado dos trajetos e locais que deseja ir fotografar. Antecipe os pontos de interesse, pesquisando previamente na internet por referências fotográficas de lugares interessantes. Nesta pesquisa prévia estude a iluminação para decidir se é melhor ir na parte da manhã ou na parte da tarde.

Uma vez levantados os lugares de interesse para fotografar otimize os trajetos e estime o tempo necessário para fazer as fotos. Considere no planejamento o fato que alguns locais são repletos de turistas e para serem fotografados tranquilamente deve-se planejar a sessão para o período da manhã, antes da chegada dos turistas que geralmente acontece por volta das 9:30hs. Considere que na primavera de Paris o sol nasce as 6:00hs e se põe somente às 22:00hs.

Alguns lugares não famosos podem ser oportunidades para fazer fotos espetaculares. E mesmo os monumentos famosos possuem ângulos pouco explorados que podem ser oportunidades para belas fotografias.

Lembre-se que nem sempre as lentes que você levou para a viagem serão suficientes para fotografar todas as oportunidades de fotografia, portanto considere a possibilidade de nestes casos fazer diversas fotos para Photomerge posterior em programas como o Photoshop (que além de emendar as fotos fará a correção automática da perspectiva). Lembre que esta técnica pode ser utilizada tanto em fotos horizontais (panorâmicas) como verticais… Por exemplo, você pode necessitar fotografar a torre Eiffel de determinado lugar onde, devido ao tamanho da Torre, é impossível enquadrá-la totalmente em uma única foto com as suas lentes…neste caso tire mais de uma foto e emende-as (função Photomerge no Photoshop) posteriormente.

Procure privilegiar caminhadas pelas ruas, pois as oportunidades para fotografia aparecem de forma inesperada.

Photography Tips in Paris!

As oportunidades para fotografar Paris são infinitas… Além dos famosos pontos (Torre Eiffel, Notre Dame, Arco do Triunfo, Louvre, etc.) é preciso visitar as antigas ruas do bairro Marais… as charmosas e estreitas ruas de Montmartre com suas escadas e artistas nas praças…curtir o Quartier Latin um dos mais antigos e animados bairros de Paris… comer em um charmoso bistrô, sentar em um dos famosos cafés, visitar as livrarias e os museus…

Listamos abaixo alguns pontos de interesse para fotografia em Paris:

  • Planeje ir no topo da Torre Montparnasse para fotografar o por do sol que na primavera é próximo as 22:00hs. Se por razões de tempo, você tiver que escolher entre subir na Torre Eiffel ou na Torre Montparnasse sem dúvida nenhuma escolha a Torre Montparnasse! Planeje jantar no Restaurant Ciel de Paris que fica no topo da Torre Montparnasse e curta a lindíssima vista da Torre Eiffel…

Vista da Torre Montparnasse

  • Planeje ir no Champs de Mars para fotografar o por do sol contrastando com a Torre Eiffel. Aproveite para sentar no gramado que fica cheio de turistas aguardando o anoitecer…se possível leve taças e champanhe para brindar…os turistas fazem isso!!

Pôr do Sol no Champs de Mars

  • Planeje ir no Trocadero por volta das 23:00hs para fotografar os efeitos luminosos da Torre Eiffel e aproveite a animação dos turistas e grupos musicais se apresentando informalmente no local!

Torre Eiffel vista do Trocadero

  • Ao visitar a região da Torre Eiffel planeje almoçar na Rue Cler aproveitando para fotografar as bancas de flores e frutas existentes ao longo da rua.

Rue Cler

  • Planeje fotografar as belíssimas pontes de Paris!  A ponte Alexandre III é uma homenagem ao Tsar da Rússia foi construída durante a Belle Époque e conecta os Inválides ao Grand Palais e Petit Palais. A Pont Solférino é uma ponte de pedestre que liga o Jardim des Tulleries ao Museu D´Orsay. A Pont des Arts é uma passarela de pedestres que oferece uma das vistas mais românticas de Paris sendo possível ver a Île de la Cité com as torres da Notre Dame. É nesta ponte que até maio de 2015 os amantes escreviam seus nomes em cadeados e os colocavam presos nas grades e jogavam as chaves dentro do rio com juras de amor eterno. Atualmente os cadeados foram retirados da ponte! Outras pontes interessantes para fotografia: Pont Neuf, Pont de Bir-Hakeim, Pont d’Iéna, etc.

Pont de Solférino

Pont Alexandre III

  • Planeje fotografar as Passages e Galeries antigas no centro de Paris como a Passage Verdeau, Passage Jouffroy, Passage des Panoramas, Passage des Princess e Galerie Vivienne. Como na maioria destas Passages os tetos são de vidro, o melhor horário para fotografar na primavera é por volta das 20:00hs quando as luzes são acesas mas ainda existe iluminação natural externa.

Passage des Panoramas

  • Planeje ir na parte externa do Museu do Louvre na parte da manhã por volta das 6:00hs e na parte da noite às 9:30hs para fotografar o efeito do sol na Pirâmide de vidro em ângulos diferentes. Para as fotos noturnas, escolha um dia da semana em que o Museu do Louvre fica aberto até 21:30hs (toda terça e quinta-feira) pois nestes dias as fontes de água em torno da Pirâmide ficam ligadas até tarde.

Pôr do Sol no Louvre

  • Procure referências fotográficas em Montmartre (escadas, becos, etc.) pois o lugar é muito fotogênico podendo render belíssimas fotos.

Montmartre

  • Visitando o Museu D´Orsay fotografe o gigantesco relógio no último andar do Museu…se possível enquadre uma pessoa junto com o relógio para mostrar o tamanho do mesmo.

Museu D´Orsay

  • Visitando o Museu D´Olangerie faça fotos na sala das Ninféias de Claude Monet…Além da belíssima iluminação da sala será uma ótima oportunidades para fazer Retratos utilizando o famoso “pano de fundo” das Ninféias pintado por Monet.

Museu D´Olangerie

  • Visite o terraço da Loja Printemps de onde podem ser feitas belas fotografias de Paris vista do alto.

Terraço da loja Printemps

  • Planeje fotografar a avenida Champs Elyses à noite, logo depois que as luzes do Arco do Triunfo são acesas (após as 22:00hs). Lembre-se de levar tripé e filtro ND para a Câmera para fazer a famosa foto “clichê” da avenida com o Arco do Triunfo ao fundo e os rastros dos faróis dos automóveis…

Champs Elyses à noite

  • Planeje fotografar a Ile de La Cité (Notre Dame) e a Ile Saint-Louis passando pelos caminhos de pedestres as margens do rio Senna. Alguns pontos de interesse poderão ser melhor fotografados no período da manhã outros antes do pôr do sol.

Notre Dame

  • Finalmente, caso você tenha tempo e goste de Museus, existem alguns Museus não tão famosos que podem ser interessantes visitar e fotografar: Museu Jacquemart-André, Museu Nissim Camondo, Museu Gustave Moreau, Museu Delacroix, Museu de La Vie Romantique, etc.

Museu Nissin Camondo

Veja mais sobre a viagem em nosso eBook!

______________________________________________________________________________
Texto: José Maria


Making off de Foto de miniatura de Ferrari

Depois de um longo tempo sem postagens resolvi fazer uma brincadeira neste dia de Natal com o presente que ganhei da Imaculada: uma miniatura da Ferrari Testarossa! Neste artigo eu descrevo, passo a passo, o Tutorial para fazer a foto abaixo:

_DSC3005-Editar

PRIMEIRO PASSO: FOTOGRAFAR O PISO DA GARAGEM

O ideal é fotografar o piso de cima, sem distorção de perspectiva. Como moro no 14o. andar de um prédio, apenas mirei com a minha DSLR para baixo e enquadrei o piso da garagem do prédio feito em pedra portuguesa!

_DSC3008 _DSC3009

SEGUNDO PASSO: IMPRIMIR A FOTO DO PISO DA GARAGEM

Faça uma impressão colorida do piso da garagem em uma folha de papel de tamanho suficiente para colocar a miniatura da Ferrari em cima. No meu caso, como a minha miniatura de Ferrari tem 18cm de comprimento,  eu imprimi a foto do piso da garagem em uma folha tamanho A4 (30cmx20cm).

_DSC4062_DSC4070

TERCEIRO PASSO: PREPARAÇÃO PARA FAZER A FOTO

Coloque o papel A4 com o piso da garagem impresso sobre uma superfície plana, tomando o cuidado de deixar um pouco da beirada do papel para fora da superfície. Alinhe a câmera DSLR de modo que a composição tenha o final das bordas do papel coincidindo com a imagem do piso real da garagem, Coloque a miniatura da Ferrari em cima do papel A4.

_DSC3012 _DSC3011

Posicione a Camera DSLR na frente da miniatura a uma distância de 10 a 15 cm, a distância vai depender do tamanho da sua miniatura de Ferrari.  Regule a câmera DSLR com uma distância focal em torno de 18mm e com uma abertura mínima do diafragma (usei f22), ajuste o ISO e a Velocidade para ter uma boa exposição (eu usei ISO 160 e Velocidade 1/80).

_DSC4067 _DSC3005-Editar

QUARTO PASSO: FAZER A FOTO

Posicione-se bem à frente da miniatura da Ferrari de modo a gerar uma proporção adequada entre você e a miniatura. Faça uma pose considerando o ângulo de visão da câmera DSLR e pronto!!! Dependendo da pose, talvez seja necessário fazer algumas fotos até que a pose se encaixe na miniatura….

____________________________________
Texto: José Maria


A bela Ilhabela!

Esta é a primeira vez que fomos a Ilhabela de carro! Em outras 4 ocasiões fomos de motocicleta. Neste artigo vamos dar algumas dicas sobre o que fazer em Ilhabela.

O município de Ilhabela fica na Ilha de São Sebastião a 135 km de São Paulo. A ilha tem 348 km2 estando entre as 5 maiores ilhas do litoral brasileiro. Como a ilha é formada por altas montanhas a ocupação se deu na orla da ilha margeando todo o canal entre a ilha e o continente. A população hoje de Ilhabela é de cerca de 26 mil habitantes distribuídos na estreita faixa habitada da orla oeste da ilha de São Sebastião.

ilhabela01

Existem inúmeras pequenas praias com águas calmas na orla da ilha voltada para o canal de São Sebastião, todas acessíveis de carro por uma estrada asfaltada de cerca de 40 km (do extremo norte ao extremo sul). No outro lado da ilha, ainda muito pouco habitado, temos a famosa praia de Castelhanos com suas águas límpidas e agitadas nos seus  mil metros de comprimento. A praia possui uma boa infraestrutura, com quiosques que servem petiscos e bebidas, além de disponibilizarem banheiros e mesas. O acesso pode ser feito através de barco ou por uma íngreme estrada de terra de 23 km.

Onde ficar em Ilhabela?

As praias, hotéis, pousadas e restaurantes ficam distribuídos pela orla habitada de Ilhabela qué e estreita e longa (cerca de 40 km de extensão) e ligada por uma muito bem cuidada estrada asfaltada. Vale a pena percorrer com calma toda a estrada para vislumbrar a belíssima paisagem da ilha.

Existe um centro histórico, a chamada “Vila”, onde está concentrado um bom número de lojinhas, cafés e restaurantes sendo portanto o ponto de concentração da vida noturna na ilha.

ilhabela-mapa

As vezes que fomos à Ilhabela ficamos em hotéis próximos da Vila. Caso a sua visita coincida com a ancoragem de transatlânticos, se prepare pois a vila fica muito agitada. Nesta nossa viagem haviam nada menos que 3 transatlânticos ancorados…a Vila estava absolutamente tomada de turistas que desceram dos navios para passear e almoçar em Ilhabela…no dia desta muvuca pegamos o carro e fomos almoçar no restaurante Nova Iorqui que fica no extremo sul da ilha, que devido à distância estava muito tranquilo!!

_DSC3556 _DSC3664

E os Borrachudos?

Outra vantagem de ficar em pousadas nas proximidades da Vila é que por ser uma área urbana, existe um menor número de mosquitos borrachudos te picando…nesta nossa viagem tivemos poucas picadas de mosquitos, pois existia muito turista de navio para ser picado….rsrsrsrsrs

Caso você vá para o outro lado da Ilha, na praia de Castelhanos, vá preparado com repelentes pois você poderá ser devorado por borrachudos!!!

A regra geral é: quanto mais mata atlântica perto de você haverá mais borrachudos…evite locais próximos de cachoeiras pois haverá muuuuuitos borrachudos!

O que fazer na Ilha?

Reserve um dia para ir até a praia de Castelhanos do outro lado da ilha. A estrada de acesso é de terra com cerca de 23 km atravessando uma serra muito íngreme e perigosa. Se o seu carro não for de tração 4×4 rezar para que não chova na estrada!  Desde 2013, durante a temporada e nos feriadões o acesso de carro á praia de Castelhanos é controlado sendo permitido apenas cerca de 100 carros e 60 motocicletas por dia. Desta vez não fomos em Castelhanos, em nossa visita anos atrás fomos sem problemas de motocicleta trail!

Visite as praias da parte norte da ilha e pare nos inúmeros quiosques para tomar uma cerveja gelada. Devido à topografia as praias da parte norte são mais acessíveis de carro que as praias da parte sul da ilha. Na parte sul, na maioria das pequenas praias  é necessário deixar o carro na estrada e descer um barranco para acessar os quiosques na praia.

nova-irqui-ilhabelaEm nossa visita, como falamos acima, aproveitamos que a Vila estava cheia de turistas dos transatlãnticos e fomos almoçar no restaurante Nova Iorqui que fica extremo sul da Ilha, exatamente onde termina o asfalto.

Como o restaurante Nova Iorqui fica em cima de um penhasco em uma parte alta da estrada, já fora da orla do canal de São Sebastião, ele tem um vista privilegiada do mar à partir das suas mesas. É possível visualizar o perfil da ilha Alcatraz no horizonte!

 

 

 

_DSC3597 _DSC3665

O restaurante é  muito procurado pela grande variedade de pratos à base peixes e frutos do mar, com destaques para a tábua de frutos do mar, a anchova caiçara e risotos. O por do sol no restaurante é lindo, mas como fomos na almoçar não pudemos conferir esta beleza!!  Como o restaurante fica incrustado na mata atlântica é recomendado levar um repelente para os borrachudos.


Texto: José Maria e Imaculada