Monthly Archives: Maio 2017

Las Vegas and The Americans National Parks

Las VegasPlanejamos a nossa viagem de 15 dias com o objetivo de visitar Las Vegas e os parques americanos Antellope Canyon, Monument Valley, Canyonlands, Arches, Dead Horse Point, Brice Canyon e Grand Canyon.

As cidades de pernoite foram escolhidas considerando os parques a serem visitados. Após pesquisas na internet a viagem ficou com um roteiro em fomato de “8” com cerca de 2.500 km de trajeto incluindo as cidades e parques abaixo:

Planejamos a nossa viagem de 15 dias com o objetivo de visitar Las Vegas e os parques americanos Antellope Canyon, Monument Valley, Canyonlands, Arches, Dead Horse Point, Brice Canyon e Grand Canyon.

EUA2017

Las Vegas

Para facilitar o deslocamento na cidade de Las Vegas, ficamos em dois Hotéis Cassinos no início da viagem (Flamingo)  e no final após visitarmos os parques nacionais (Excalibur).  Aproveitamos o fuso horário a favor e continuamos a acordar sem dificuldades às 5:30hs da manhã durante toda a viagem. Isso nos possibilitou estar bem cedo nos Parques e fotografar alguns parques durante o  nascer do sol. Veja mais em nosso post específico sobre a nossa estadia em Las Vegas.

Page

Saímos de Las Vegas rumo a Page/AZ onde vistamos no final da tarde a belíssima paisagem do Lake Powell nas imediações da Wahweap  Marina. No dia seguinte às 6:00hs da amanhã já estava agendada a nossa visita ao Antellope Slot Canyon (Upper part). Fomos até a empresa de turismo pertecente à índios Navajos e embarcamos em veículo 4×4 visitar o Antellope Canyon. Veja mais em nosso post específico sobre a nossa estadia em Page.

Monument Valley

Decidimos ficar hospedados no Hotel Goulding´s Lodge que fica no interior do Parque para ficar mas fácil a visita e aproveitar os horários do nascer e pôr do sol. Fizemso inúmeras fotos a partir do Mirante que possibilita fotos maravilhosas utilizando o Zoom da câmera. Fizemos também parte do trajeto de 17 milhas da “Scenic View” com o nosso carro que por ser baixo nos deixou pouco confortável para encarar todo o trajeto em terra da estrada.

Moab

Ficamos por dois pernoites na pequena cidade de Moab para permitir a visita aos 3 parques existentes nas redondezas: Arches national Park, Canyonlands National Park e Dead Horse Point State Park. A cidade é considerada a capital dos esportes Off-Road nos Estados Unidos.

Bryce Canyon

Devido à distância entre Moab e o Bryce Canyon vistamos o Bryce Canyon no final do dia em que chegamos e no início da manhã do dia seguinte. Como a altitude do lugar é de cerca de 2500 metros o frio estava muito forte, ocorrendo até a queda de neve no dia que chegamos. A temperatura prejudicou a visita e caso fosse possível replanejar a viagem incluiríamos mais um dia na visita ao Bryce Canyon.

Grand Canyon

Tivemos sorte e conseguimos reservar um hotel no interior da Grand Canyon Village. Foi uma experiência maravilhosa poder andar calmamente pela borda do Grand Canyon no entardecer e amanhecer sem preocupação com o tempo pois o hotel estava do nosso lado! Caso nós pudessemos replanejar a viagem incluiríamos mais um dia na visita ao Grand Canyon.

Rota 66

Reservamos o dia todo para viajar calmamente pela Rota 66, pernoitando em Kingman antes de chegar novamente em Las Vegas. Visitamos diversos pontos históricos deste trecho preservado da mais famosa estrada americana (Hackberry e Oatman).

Veja abaixo o Photobook da Viagem

 

O charme da velha Rota 66

Rota 66Embora a Rota 66 seja muito famosa pelas inúmeras canções sobre ela e inúmeros filmes de Hollywood, ela provavelmente não signifique tanto  para pessoas mais jovens que não assistiram ou curtiram estes filmes e canções.

A Rota 66 também é conhecida como a “Estrada Mãe” ou como ” The América´s Main Street” sendo considerada  o coração da cultura americana e, com certeza, conhecer os trechos desta antiga estrada é uma oportunidade que não deve ser desperdiçada  quando se viaja de carro do Grand Canyon para Las Vegas!

Em 1987, o Estado do Arizona criou o nome “Historic Route 66” para o trecho da antiga estrada  que liga Seligman a Kingman, com isso criou mecanismos para garantir a preservação da estrada mantendo suas características originais. A cidade de Seligman é o início do trecho de 158 milhas da antiga  Rota 66 que termina em Topock, no Arizona. Esta parte da Rota 66 é rica em paisagens e atrações históricas, sendo o mais longo trecho da Rota 66 que se manteve intacto até hoje. Existem em Seligman inúmeros Cafés e Motéis no estilo antigo, quando o Rota 66 ainda imperava como uma importante ligação do leste com o oeste dos Estados Unidos.

Rota 66A distância de Seligman a Kingman via Historic Route 66 é de 89,1 milhas, com um tempo de viagem médio de cerca de 2 horas que dependerá do tempo de paradas nos pontos de interesse na estrada.  As pessoas são muito amigáveis ​​neste trecho histórico da Rota 66, portanto, pare bastante e curta o ambiente. Os pontos de parada você encontrará motociclistas de todo o mundo em motos Harley-Davidson curtindo o sonho de pilotar pela Rota 66…. Aproveite as paradas para comprar souvenirs, tirar fotografias e conversar com as pessoas da região!

Rota 66No trecho histórico da Rota 66 pode-se  também visitar as famosas Cavernas do Grand Canyon que ficam ao lado da Rota 66. Não fizemos esta visita mas consultando a internet, vimos que as cavernas foram formadas  há 345 milhões de anos no fundo de um antigo mar. Os turistas entram e saem das cavernas por meio de um elevador, havendo uma caminhada de 45 minutos por cerca de 1000 metros dentro da caverna.  Os tours partem a cada meia hora diariamente.

Outras pequenas cidades às margens da velha estrada são Peach Springs, Truxton ,  Valentine, Hackberry e Vale Vista.

Rota 66A pequena cidade de Peach Springs é a sede tribal da Reserva dos Índios Hualapai que ocupa 995 mil hectares  ao sul do rio Colorado. As famosas quedas de água Havasu Falls, Navajo Falls, Mooney Falls e Beaver Falls ficam nesta reserva tribal. Não visitamos a área, mas informações na internet indicam que a pequena  aldeia Indígena Supai que foi  lar dos índios Havasupai por  muitos séculos, atualmente possui um pequeno café, lodge, correios, escola, igreja, clínica, posto de polícia e uma loja geral sendo o ponto de apoio para as visitas às famosas quedas de água.

Rota 66Rota 66Paramos na Hackberry General Store, um lugar símbolo deste trecho da Rota 66 que é muito fotografado pelos turistas.  Na pequena loja, com ambientação da velha Rota 66,  há bebidas,  antiguidades e souvenirs  sobre a Rota 66.

À medida que se  aproxima de Kingman, a Rota 66 segue ao lado da estrada de ferro de Santa Fé com uma paisagem mais desértica. A cidade de Kingman tem todas as facilidades de uma cidade média americana e por ficar também ao lado da nova auto-estrada I-40, que substituiu a Rota 66, a cidade  não sofreu a decadência das pequenas cidades onde a velha estrada ficou esquecida.

Vale a pena continuar pela Rota 66, pois o trecho montanhoso entre Kingman e Topock reserva surpresas interessantes além de bonitas paisagens das montanhas.  Na minha opinião este estreito  trecho montanhoso da Rota 66, com suas inúmeras curvas, talvez seja o trecho com traçado mais preservado da estrada.

Rota 66No meio do caminho vale a pena parar na pequena loja “Cool Springs Cabins” e tirar a famosa foto do símbolo da Rota 66 pintado no asfalto  bem na frente da loja.

Rota 66Um pouco mais à frente, faça uma parada na cidade fantasma de Oatman, muito animada com cafés rústicos, motociclistas do mundo todo em motos Harley-Davidson e com shows de cowboys nas ruas com simulação de tiroteio… caso você passar por lá após às 5 horas da tarde não encontrará nada disso… será uma cidade fantasma literalmente!! Não esqueça de fechar os vidros do carro ao estacionar na Main Street de Oatman pois os pequenos jumentos que andam pela cidade enfiam a cabeça dentro dos carros e podem retirar alguma coisa do interior do veículo!

____________________________________________________________________
Texto: José Maria

O espetacular Grand Canyon

Grand CanyonO Grand Canyon  é uma gigantesca fenda com até 1.800 metros de profundidade,  446 km  de comprimento e com até 29 km de largura esculpida pelo rio Colorado no terreno arenoso do estado americano do Arizona.

O Grand Canyon e a Floresta Kaibab em seu entorno fazem parte do Grand Canyon National Park.  Estudiosos defendem a tese de que o Rio Colorado iniciou o  seu curso na área há cerca de 5 a 6 milhões de anos atrás e desde então vem fazendo o corte do canyon  levando sedimentos, alargando e aprofundando a fenda do canyon.

O Grand Canyon é desde 1979 patrimônio da Unesco e atualmente é visitado por mais de 5 milhões de pessoas anualmente.

Grand CanyonEsta foi a quarta vez que visitamos o Grand Canyon… para tornar a visita diferente resolvemos fazer algo difícil mas possível de conseguir: ficar hospedado em um dos hotéis no interior do parque na Grand Canyon Village! Com um pouco de sorte conseguimos ficar no Maswick Lodge que fica na vila  junto à borda do Grand Canyon, com isso foi possível apreciar em caminhadas o efeito da luz ao nascer do sol e no pôr do sol nas rochas alaranjadas das paredes do canyon.

O Maswick Lodge fica praticamente no início da trilha “Rim Trail” que tem cerca de 21 km de extensão e segue a borda do canyon na direção oeste, não sendo possível ir de carro particular nesta direção do canyon (somente de ônibus ou pela trilha!). Os mirantes nesta direção são: Trailview Point, Moricopa Point, Powel Point, Hopi Point, Mojave Point, The Abys Point, Monument Creek Vista, Pima Point e Hermits Rest Point.

Grand CanyonQuando chegamos ao Grand Canyon National Park entramos pela entrada leste vindo do Bryce Canyon e seguimos pela estrada “Desert View Drive” parando nos mirantes Desert View Point, Navajo Point,  Grandview Point, Lipan Point e Moran Point… fizemos isso para ajustar o nosso tempo com a hora do check-in no hotel que reservamos no interior do parque. Assim que chegou a hora para o check-in passamos direto pelos mirantes restantes e fomos para o hotel… voltaríamos mais no final da tarde para registramos o pôr do sol e no dia seguinte para registrarmos o nascer do sol nos mirantes.

Grand CanyonAlém de hotéis, a vila Grand Canyon Vilage tem supermercado (Market  Plaza), restaurantes para todos os gostos, lojas, museus  e áreas para camping. O parque disponibiliza também um ônibus interno gratuito para levar os turistas da vila para as principais atrações… nós dispensamos o ônibus e fomos em nosso carro ou à pé para caminhadas na borda do canyon!  Quem não conseguir ficar nos hotéis no interior do parque pode ficar em Tusayan, um lugarejo formado por um amontoado de Hotéis e Motéis na parte externa do parque bem próxima à entrada sul.

Grand CanyonSe pudéssemos replanejar a viagem teríamos ficado mais um dia no Grand Canyon pois a experiência de ficar hospedado em Hotel no interior do parque aumenta as possibilidades e o prazer de explorar o lugar!

______________________________________________________________________
Texto: José Maria

Visitando o Bryce Canyon National Park

Bryce CanyonO Bryce Canyon é um parque nacional localizado no sudoeste do estado de Utah, nos Estados Unidos. A principal característica do parque, que não é propriamente um Canyon,  é a coleção de anfiteatros naturais gigantes ao longo do lado leste de um longo platô. O Bryce Canyon fica em uma altitude muito maior do que outros parques da região variando ente 2.400m e 2.700 m, portanto prepare agasalhos e espere para uma temperatura muito menor do que os outras partes da região, principalmente na primavera e no outono. Quando nós chegamos ao Bryce Canyon estava nevando!

O parque Bryce Canyon fica aberto 24 horas por dia durante o todo o ano, podendo ter partes fechadas durante os meses de inverno devido ao acúmulo de neve na estrada. A entrada custa US$30,00/veículo com validade por 7 dias e inclui o uso gratuito do ônibus do parque.

Bryce CanyonO Bryce Canyon tem características únicas devido a estruturas geológicas chamadas “hoodoos”, formadas pela erosão natural do terreno formado por rochas sedimentares.  É impressionante ver as formas  das rochas nas cores vermelhas, laranja e brancas que proporcionam visões espetaculares para os visitantes do parque.  Temos uma nítida impressão que a mão humana fez  algumas das partes do parque devido a regularidade e a beleza dos “hoodoos” esculpidos pela natureza.

Bryce CanyonO parque pode ser visitado em um dia, indo  de carro pela estrada asfaltada que corta o parque até os inúmeros mirantes e caminhando pela borda do canyon em trilhas existentes em alguns  destes mirantes. Alguns dos mirantes que obrigatoriamente devem ser explorados são o “Inspiration Point”, o “Sunset Point” (principalmente no final da tarde), o “Sunrise Point” que é mais bonito no início da manhã e o “Bryce Point”.  Quem puder ficar mais de um dia no parque deve percorrer algumas das inúmeras trilhas do parque como a trilha “Navajo Loop” e a trilha “Queens Garden Trail” que descem a encosta  do canyon. Por falta de tempo não fizemos as trilhas… se pudéssemos refazer o nosso planejamento teríamos colocado mais um dia no Bryce Canyon e explorado melhor as suas belezas!

Bryce CanyonA área do parque era habitada no final do século 19 por Mormos com sobrenome Bryce  e se tornou um Monumento Nacional em 1923 sendo  designada como um Parque Nacional em 1928 com o nome Bryce Canyon. O parque cobre cerca de 145 km quadrados  e recebe bem menos visitantes que outros parques da região (Zion e Grand Canyon).

Estrada para o Bryce CanyonA melhor hospedagem, e também a mais cara, é na vila Bryce Canyon bem na entrada do parque. Outras opções são hotéis e motéis nas pequenas cidades de  Panguitch e Tropic próximas da entrada do parque, respectivamente 36km e 16 km. Ficamos hospedados no Best Western Ruby Inn que fica bem na entrada do parque, curtimos muito o estilo country do hotel  e o recomendamos.

Existem poucas opções para alimentação tanto na vila Bryce Canyon como  ao  longo da estrada que liga o parque às cidades vizinhas. Nós jantamos no charmoso restaurante que fica ao lado da General Store na cidade de Tropic a 16 quilômetro do Bryce Canyon, recomendamos!

___________________________________________________________________________

Texto: José Maria

Reflexos de Moab em Utah

CanyonlandsA charmosa e pequena cidade de Moab, no estado de Utah nos Estados Unidos, esconde 3 maravilhosos parques: O Arches National Park, o Canyonlands National Park e o Dead Horse Point State Park. A cidade fica em um vale cercado por montanhas alaranjadas e por si só é um charme com muitos cafés,  restaurantes e hotéis. A cidade é considerada  nos Estados Unidos como a capital do Off-Road e por esta razão atrai também muitos praticantes deste esporte… deu até vontade de alugar uma “gaiola” e partir para a terra… rsrsrsrs

Escolhemos a cidade para ficar 2 dias em nossa viagem e planejamos  visitar os 3 parques. Na primavera de 2017 o parque Arches estava com obras de pavimentação abrindo  às 7:00hs horas e fechando às 7:00hs da noite e, portanto, o nosso desejo de fotografar este parque no nascer e no pôr do sol não pôde ser realizado… mesmo assim, pudemos fazer belas fotos das altas profundezas do Parque Nacional Canyonlands, Dead Horse Point Park e da  paisagem de rocha vermelha do Arches National Park.

ArchesArches National Park

A entrada do parque  fica a 8 km ao norte de Moab, ao longo da Estrada 191. O parque fica aberto 24 horas por dia  durante todo o ano, a taxa de entrada é US $25,00/veículo podendo ser usado por 7 dias.

O parque concentra  o maior número de arcos de arenito natural do mundo com mais de 2.000 arcos catalogados. O parque possui também uma incrível variedade de formações geológicas,  rochas maciças e altos picos  que podem ser explorados  em trilhas para caminhadas. A estrada asfaltada interna ao parque tem cerca de 56 km de extensão e leva aos principais pontos de interesse  dentro do parque como o Double Arch, o Tower Arch, o Delicate Arch, o Windows, o Landscape Arch, etc. É necessário caminhar por trilhas para alcançar alguns destes pontos de interesse.

Arches

CanyonlandsCanyonlands National Park

A entrada do parque fica a 46 km ao norte de Moab. O parque fica aberto durante todo o ano, 24 horas por dia sendo a taxa de entrada de US$25,00/veículo (7 dias de validade). Procure estar no parque ao nascer do sol ou no pôr do sol, pois são momentos particularmente mais bonitos para apreciar as vistas panorâmicas do canyon.

O Canyonlands é o maior parque nacional de Utah. O parque e dividido em vários distritos com entradas diferentes muito distantes uma das outras, por esta razão optamos pela maneira mais fácil de ver o parque que é a parte chamada “Sky” que compreende uma visita na parte superior dos Canyons do parque. A parte “Sky” do parque fica em cima de uma enorme mesa de 1500 pés de altura que literalmente forma uma “ilha no céu”.

Canyonlands

Esta parte do parque possui  inúmeras paradas  com estacionamento para carros de onde pode-se ter  vistas espetaculares a partir da estrada asfaltada que corta o parque. Em alguns pontos, os  visitantes podem ver muito longe, resultando em vistas panorâmicas que abrangem milhares de quilômetros quadrados do canyon.  Existem também trilhas para caminhadas e as estradas para veículos Off-Road com  acesso às áreas da parte de baixo dos Canyon, mas não visitamos estas áreas pois nosso carro comum não permitia esta aventura.

Dead Horse Point State Park

Visitar o parque Dead Horse Point  é um passeio perfeito  com vistas espetaculares do Rio Colorado e do Parque Nacional Canyonlands. A entrada do parque fica a 51,5 km ao norte de Moab. O parque fica aberto o ano todo das 6:00hs às 10:00hs da noite e a taxa de entrada é de US$15,00/veículo (3 dias de validade).

Dead Horse PointEmbora a área do Parque Estadual Dead Horse Point seja pequena, ele é um dos parques mais espetaculares de Utah. A visão de Dead Horse Point é uma das vistas panorâmicas mais fotografadas do mundo, com uma  vista panorama deslumbrante sobre as encostas e vales  esculpidos no Canyonlands.  Milhões de anos de atividade geológica criaram as vistas espetaculares do Parque Estadual Dead Horse Point com a erosão do terreno pela água da chuva, pelos ventos e pelos rios.

Diz uma lenda que o ponto era usado como um curral para cavalos selvagens que vagavam pela parte superior do canyon. Os vaqueiros os conduziam pelo gargalo estreito de terra do canyon  e os deixavam no ponto presos por obstáculos que não deixavam os cavalos fugirem. Uma vez os cavalos foram deixados no local por um longo período de tempo e como não havia água na parte superior do canyon  eles  morreram de sede. Este episódio deu nome à região!

________________________________________________________
Texto: José Maria

Fotografando o Monument Valley

Monument ValleyJá faz algum tempo que queríamos visitar o Monument Valley Navajo Tribal Park, em Utah, Estados Unidos! Em 2006, passamos perto… mas não foi daquela vez! Desta vez planejamos um roteiro que incluía o Monumento Valley e conseguimos reservar um hotel dentro do parque para que a nossa visita fosse ainda mais especial.

O Monument Valley é um símbolo do Oeste americano e também é o coração sagrado dos índios Navajos, que administram e cuidam de todas as atividades do Parque.

Monument ValleyAs formações rochosas de arenito que formam o Parque foram esculpidas ao longo dos séculos sendo consideradas atualmente como uma das maravilhas naturais do mundo. A região é muito mais conhecida por imagens do que pelo nome, pois  foi  locação para inúmeros filmes de Hollywood:  Stagecoach (1939) , The Searchers (1956), Easy Rider (1969), Forrest Gump, The Eiger Sanction (1975), Doctor Who série (episódios “The Impossible Astronaut” and “Day of the Moon”) e inúmeros filmes de faroeste.

Monument ValleyO Parque funciona das 7:00hs da amanhã às 7:00hs da noite e o bilhete para entrar custa US$20,00 (por carro). Uma vez dentro do parque você tem acesso ao mirante ao lado do restaurante (as fotos acima e ao lado foram feitas à partir do mirante), loja de souvernirs e Hotel The View. Neste Mirante, com uma câmera  uma lente zoom, pode-se fazer fotos sensacionais. Um passeio obrigatório é tomar à estrada não pavimentada “Scenic View” que tem 17 milhas com pontos de paradas nos melhores pontos para fotografia. O passeio pela “Scenic View” podem ser feito por conta própria de carro (mesmo automóveis comuns). Passeios por outras partes do Parque (e também pela “Scenic View”) podem ser feitos com guias e veículos Navajos, neste caso explorando outras partes do Parque e as terras sagradas da área.

Monument ValleyA “Scenic Drive” possui muitas barracas de vendas de artesanato indígena em muitos dos pontos ao longo da estrada. Caso você não desejar percorrer as 17 milhas da “Scenic Drive” você poderá virar o carro e retornar na hora que desejar, percorrendo apenas a parte mais bonita da estrada.

Monument ValleyNossa sugestão é que você se hospede em um dos dois hotéis dentro do Parque (The View e o Goulding Lodge) administrados pelos índios Navajos. Ficando hospedado no Parque você poderá apreciar o pôr do sol e o nascer do sol sobre as torres e monumentos do parque. A contemplação permitirá sentir os ritmos desta terra com a calma e a concentração que ela merece. A vista do hotel The View, que fica no centro de visitantes,  é impressionante. Tem-se uma vista acima do vale para as principais ícones do Parque que são os rochedos mais fotografados do mundo!

Monument ValleyAs outras opções de hospedagem são lugares próximos como Mexican Hat e Kayenta que ficam a cerca de 20-30 km ao norte e ao sul da entrada do parque. Estas pequenas cidades (no caso de Mexican Hat é um aglomerado de Moteis) além da distância considerável do parque, não apresentam atrativos que justifiquem a sua escolha! Prefira ficar em um dos dois hotéis no interior do Parque, são melhores e possuem vistas deslumbrantes!

Monument ValleySe você quiser tirar fotos antes das 7:00hs da amanhã ou depois das 7:00hs da noite hospede-se no hotel The View para ter acesso ao Mirante (ao lado do hotel) na hora que você desejar! Já o Hotel Goulding Lodge tem uma vista mais distante e panorâmica  e fica fora da entrada do Parque. Portanto, quem se hospedado no Hotel Goulding Lodge estará sujeito ao horário de 7:00hs da manhã às 7:00hs da noite. Fora deste horário será possível observar o Parque á distância, o que não deixa de ser uma vista fantástica (ver foto do pôr do sol acima)!

________________________________________________________
Texto: José Maria

 

Fotografando o Antelope Slot Canyon

Antellope CanyonPlanejamos desta vez visitar o Antelope Canyon, pois em nossa viagem de 2006 passamos batido sem ver este surpreendente canyon. O Antelope Canyon é uma garganta entalhada no solo rochoso, localizada próximo à cidade de Page, no estado do Arizona, nos  Estados Unidos.

O Canyon está localizado em terras dos índios Navajos que controlam, agendam e guiam a visitação ao local. O Antelope Canyon  inclui duas seções que devem ser visitadas em tours separadas,  o “Upper Antelope Canyon” e o “Lower Antelope Canyon” .

Antelope Slot Canyon
O Antelope Canyon foi formado pela erosão do arenito do solo  causado pelos fortes fluxos de água que ocorrem após fortes chuvas na região. A água da chuva ao escorrer pelo terreno com alta velocidade  e carregando a areia do deserto  formou o canyon esculpindo  as suas paredes em belas  passagens estreitas.  Ao longo do tempo, as passagens foram construídas pela água/areia tornando os corredores mais profundos e suavizando as bordas duras,  formando paredes “fluídicas” nas rochas do canyon.

Antelope Slot CanyonAs inundações no canyon  são raras, mas muito perigosas para os turistas que estiverem no interior do canyon no momento da inundação. A última inundação  ocorreu em 30 de outubro de 2006 e durou 36 horas causando o fechamento do Lower Antelope Canyon por cinco meses. Em 12 de agosto de 1997, onze turistas foram pegos de surpresa e morreram  no interior do Lower Antelope Canyon por uma inundação repentina.

Lower Antelope Canyon

Por restrições de tempo dedicado à Page em nossa viagem, não visitamos o Lower Antelope Canyon. Segundo fontes na internet, o local é em desnível sendo o acesso feito por escadas. Antes da instalação de escadas de metal,  os visitantes tinham que escalar  certas áreas difíceis no interior do canyon. Mesmo após a instalação de escadas a caminhada é mais difícil do que no Upper Antelope Canyon.  O Lower Antelope Canyon atrai um número considerável de fotógrafos, já o Upper Antelope Canyon atrai mais turistas comuns.

Upper Antelope Canyon

O Upper Antelope Canyon está  localizado a poucos quilômetros de distância do Lower Antelope Canyon.  É o mais visitado por turistas pelo fato de todo o interior do canyon ser no nível do solo e não exigir escalada. Em segundo lugar pela presença mais comum de luz solar direta irradiando pelas aberturas no topo do canyon que no Lower Canyon Lower, o que facilita  fotografias sem tripé e com ISO mais baixo.

Antelope Slot CanyonA entrada de luz no interior do canyon depende da hora do dia e da época do ano. Os feixes de luz do sol começam a criar raios de luz no interior do canyon a partir de março  até outubro entre 10hs e 14hs do dia. Entretanto, no início da manhã e no final da tarde a luz do sol, mais inclinada, gera também iluminações surpreendentes no interior do canyon.

Antelope Slot Canyon

Fotografando o Antelope Canyon

As sugestões abaixo foram feitas a partir da nossa visita ao Upper Antelope Canyon e tem o objetivo de ajudar quem for visitar o canyon. A experiência de fotografar o canyon é única e apresenta certas dificuldades que devem ser planejadas anteriormente.

Antelope Slot CanyonO sol mais elevado entre os meses de março e outubro, trás mais luz para o interior do canyon e provoca a formação de feixes de luz nas fendas do teto. Se o seu objetivo for fotografar estes feixes de luz você deve levar o horário do dia  em consideração, interagindo com os guias  locais e tentando agendar (ou reagendar)  a visita para os momentos  que a luz penetra verticalmente as fendas do canyon.

Antelope Slot CanyonVocê terá dificuldades para agendamento visto que estes horários são muito disputados pelos turistas e fotógrafos. Caso consiga agendar, prepare-se para partilhar as locações com inúmeros outros fotógrafos que estarão com você no interior do canyon.

Antelope Slot CanyonComo nossa visita foi feita durante a primavera, o agendamento foi mais fácil mas somente conseguimos agendar com 30 dias de antecedencia para o horário das 6:30hs da manhã! Vendo minhas fotografias dá para constatar que mesmo em um horário não tão adequado podem ser feitas ótimas fotografias se o seu objetivo prioritário não for fotografar os feixes de luz que descem a partir do teto do canyon.

Antelope Slot Canyon

Utilizamos uma lente 24-70mm e camera Nikon D750. Na maioria das vezes usei a lente em grande angular (24mm) e em alguns lugares usei o zoom (70mm) para pegar alguns detalhes das paredes/teto do canyon.  Não se esqueça de clicar também olhando para cima, embora seja uma posição desconfortável, grandes imagens podem ser encontradas no contraste do teto e com o céu que aparece nas frestas.

Antelope Slot CanyonO EXIF das fotos que fiz sem uso de tripé no interior do canyon às 6:30hs da manhã no mês de maio, ficou em torno de ISO 3200, velocidade 1/60 e abertura entre f/2.8 e f/5.6. Portanto, vá com uma boa câmera que possa fazer fotos com qualidade com ISO 3200!!

Agende a sua visita ao Antelope Slot Canyon

A visita no Antelope Canyon é feita exclusivamente em grupos guiados por índios Navajos que exploram o canyon em uma tour de cerca de 50 minutos de duração no interior do canyon e mais cerca de 30 minutos de deslocamento de Page até o canyon. Eles fornecem tranporte 4×4 a partir da cidade de Page e o agendamento (www.antelopeslotcanyon.com) deve ser feito com antecedência pela internet ao custo de cerca de US$50,00/pessoa (Upper Antelope Canyon). Há inúmeras empresas dos índios Navajos que fazem o tour, nós fomos pela Antelope Slot Canyon Tour by Chief Tsosie.

Outras atrações de Page

Visite também o Horseshoe Bend na rodovia US 89 a poucas milhas ao sul da cidade de Page.  O nome se deve ao formato de ferradura de uma curva do rio Colorado.  A melhor vista é alcançada por meio de uma trilha de cerca de um quilômetro de caminhada pelo deserto, partindo da rodovia U.S.89 onde há uma estacionamento para os veículos. A trilha termina em um penhasco às margens do rio, cujas paredes tem cerca de 400 metros em relação ao nível do rio Colorado.

Horseshoe BendA Wahwhep Marina fica próximo da cidade de Page a  cerca de ¼ milha da costa do Lago Powell. Vá no por do sol que é o momento ideal para fazer belas fotografias do Lake Powel. A Wahweap Marina oferece muita diversão com uma grande variedade de barcos e atividades para você escolher. Você também pode desfrutar do restaurante  e loja de presentes no Lago Powell Resort.

Whawhep Marina

_______________________________________________

Texto: José Maria

 

Las Vegas, a cidade do pecado!

Las VegasEsta foi a quinta vez que visitamos Las Vegas e mesmo dedicando 6 dias da viagem para a cidade ainda ficou muita coisa para ser vista!  Tenha em mente que será impossível esgotar a cidade em apenas uma viagem.

Las Vegas é uma cidade extremamente agitada durante as 24 horas do dia com excessos de todos os tipos… a arquitetura da cidade beira a fantasia e quem conhece sabe que os exageros devem ser curtidos um a um, com muita alegria e diversão, aproveitando cada um deles!

Parece um gigantesco parque de diversão para adultos… provavelmente você voltará de Las Vegas precisando tirar férias para recuperar as energias!

Las VegasLas Vegas Boulevard, a “Strip”

A Las Vegas Boulevard, conhecida também como “strip”,  é uma das avenidas mais famosas e fotografadas do mundo. Os neons,  as luzes Leds e os painéis luminosos gigantes  se estendem por  mais de 6 quilômetros repletos de hotéis, cassinos, shoppings, restaurantes e casas de espetáculos!  Para conhecer estes  6 quilômetros são necessários alguns dias na cidade pois dentro de cada cassino existem atrações únicas que merecem a nossa atenção, consumindo tempo com um turbilhão de novas informações e proporcionando novos interesses em cada cassino visitado!

Las VegasPortanto a dica é entrar em todos os cassinos da Strip, pois fazendo apenas o passeio externo perde-se boa parte dos atrativos e do glamour da cidade. Os hotéis e cassinos são tão grandiosos que dificilmente será possível  conhecer mais de três ou quatro em um dia. Procure dentro dos cassinos e hotéis pelos restaurantes, bares, teatros, shows, lojas, shoppings e principalmente pela parte temática de cada cassino ou hotel. Como exemplo, no Cassino New York-New York existe  uma montanha russa e no Cassino Venetian existe um canal de água com Gôndolas exatamente como na cidade de Veneza, na Itália.

Tente a sorte em um ou outro cassino, divirta-se e prepare-se para perder… é muito difícil ganhar jogando nos cassinos!  Mesmo que não jogue, entre em todos os cassinos! Independente da vontade de apostar,  os cassinos fazem parte do roteiro turístico da Vegas e cada um tem características, atrações e temáticas específicas. Aproveite os bares e restaurantes, as casas de espetáculo ou mesmo só o clima do lugar.

Las Vegas

Atrações 

O show das fontes do Bellagio é maravilhoso…. assista várias vezes durante o dia, no por do sol, à noite… varie o ângulo de visão ficando de frente para o Bellagio e depois vá para a rampa na entrada do Bellagio  ficando de frente para o Cassino Paris. O sincronismo da música com as águas dançantes é emocionante e você não vai querer parar de assistir!  A cada apresentação uma nova trilha sonora e “coreografia” são apresentadas, o que torna ainda mais interessante o espetáculo.

Las VegasLas VegasUm outro lugar obrigatório é visitar os canais com as Gôndolas no interior do Cassino Venetian.  Os canais artificiais no Venetian são tão reais que temos a impressão de estarmos em plena Piazza San Marco em Veneza.  Aproveite o azul do céu artificial do Venetian  (que existem também no interior do cassino Paris e no Ceasar  Palace) e faça muitos cliques românticos diante das gôndolas ouvindo a trilha sonora italiana cantada pelos gondoleiros. Se ficar muito entusiasmado, compre um ticket para um passeio de Gôndola, não ache que seja brega… afinal tudo em Las Vegas é exagerado! Você dará boas risadas e se divertirá bastante!

Las VegasPara os mais fortes que amam emoções radicais sugerimos um passeio na enorme montanha russa do Cassino New York-New York que em seu trajeto passa por dentro de uma réplica de Manhattan e faz um looping na parte externa do cassino, atrás da Estátua da Liberdade. Uma outra atração radical que nós não fomos é o “jump” ao ar livre a partir da torre do Cassino Stratosphere. A uma altura de 350 metros de altura e preso apenas por uma corda, o turista experimenta uma descida radical em alta velocidade com uma vista maravilhosa.

Uma das mais novas atrações de Las Vegas é a Hight Roller, considerada a mais alta roda gigante do mundo com 160 metros de altura. No topo da roda gigante a vista de Las Vegas no pôr do sol é emocionante.

Las VegasBem menos radical é um  jantar romântico no alto da Torre Eiffel no Cassino Paris, bem no centro da Strip. Uma outra alternativa romântica é jantar no restaurante que fica na parte externa do cassino Paris, na calçada bem em frente das fontes do Bellagio… o restaurante tem um estilo francês e tem-se a impressão de realmente estarmos em Paris.

Na hora do almoço, quando estiver com bastante fome, vá até um dos inúmeros buffets existentes em vários cassinos. A comida é farta e tem um preço justo considerando a qualidade e a quantidade! Os preços variam de acordo com o  Buffet escolhido variando de US$10,00 a US$ 50,00. Alguns buffets sugeridos  são: Bacchanal Buffet (Caesars Palace), Aria Buffet (Aria Hotel), The Buffet at Bellagio (Bellagio Hotel), Spice Market Buffet (Planet Hollywood) e Le Village Buffet (Paris Hotel).

Las VegasFaça uma foto na famosa placa de “Welcome Las Vegas”  na entrada da cidade. Existe estacionamento para veículos no local, mas prepare-se para disputar a placa com outros turistas! A placa fica logo depois do Mandalay Bay, quase em frente da mega loja da Harley Davidson. Dentro da loja Harley Davidson existe também uma cópia da placa onde você pode tirar uma foto sentado em uma motocicleta da marca com a placa ao fundo… é gratuito e vale muito a pena!

Shows

É essencial que a sua visita a Las Vegas inclua assistir um dos shows do Cirque Du Soleil existentes em teatros dentro dos Cassinos! São inúmeros os shows do Cirque Du Soleil em vários cassinos de Las Vegas, recomendamos o “O” (Cassino Bellagio) que já assistimos duas vezes e o Ká (Cassino MGM). Os preços dos shows do Cirque Du Soleil são altos, mas vale a emoção de ver uma atração de alta qualidade. Se possível, adquira pela internet antecipadamente o CD com as músicas do Show que deseja assistir e ouça o CD algumas vezes até que você  sinta as músicas que mais lhe agradam… não existe emoção maior que assistir ao vivo o show  e ouvir a música que você gostou embalando  determinada  cena dentro da história contada no show… você vai se arrepiar… vai correr lágrimas dos seus olhos!!  Os espetáculos são muito concorridos,  adquira antecipadamente os ingressos pelo site oficial do Cirque Du Soleil.

Las VegasVisite a rua Fremont Street onde fica cassinos mais clássicos de Las Vegas. Após a revitalização da rua cada dia mais turistas visitam as atrações do local como o gigantesco painel de led que cobre toda a rua com um  espetáculo de luzes. Existem também vários shows gratuitos, casas de striptease e performances de artistas de rua… você encontrará Elvis Presleys, Marylins Monroes, Madonas, etc. Aproveite e vá aos restaurantes e bares nesta parte de Las Vegas, curta o ambiente que é muito diferente da Strip.

Ao passar em frente a um stand do Tix4Tonight, confira as promoções pois pode-se adquirir um  ingresso para determinado show pela metade do preço,  atentar para o fato que o desconto é dado apenas para shows na mesma noite.

Baladas

Quem gosta de balada a cidade de Las Vegas oferece praticamente em todo cassino um opção para balada. Procure na internet as opções e os tipos de Balada mais alinhadas com o seu estilo… aí é só se vestir a caráter e partir para a diversão! Atentar para o fato que as casas noturnas mudam com as estações do ano, portanto você deve consultar os locais e os DJs que estarão embalando as festas na época que estiver na cidade.

Compras 

Você não foi a Las Vegas para fazer compras, mas se sobrar um tempinho aproveite os Outlets da cidade!  Além das maravilhosas lojas nos hotéis e Cassinos da Strip existem excelentes Outlets muito próximos do centro. As sugestões são Las Vegas North Premium Outlets (175 lojas) e o Las Vegas South Premium Outlets (140 lojas) que ficam em extremos diferentes da cidade  a menos de 15 minutos de carro do ponto mais movimentado na Strip. Os dois Outlets oferecem excelente variedade  de marcas e grifes com excelentes preços e  descontos.

Grand CanyonPasseios

Alugue um carro é vá visitar o Grand Canyon, uma das maravilhas naturais mais visitadas do Mundo.  Programe um pernoite em Tusayan, uma pequena cidade próxima à entrada sul do Grand Canyon.

A viagem vai durar cerca de 5 horas  com a possibilidade de na ida ou na volta você passar por um trecho histórico muito interessante da Rota 66, a estrada mais famosa dos Estados Unidos. Além do Grand Canyon outros destinos interessantes para passeios são o Death Valley (Vale da Morte), o  Zion National Park e a Hoover Dam (famosa barragem no Rio Colorado).

Quando ir

A melhor época é a primavera e o outono pois a cidade tem menos turistas e a temperatura mais agradável.  Como os finais de semana são sempre muito lotados escolha estes dias para fazer os passeios turísticos nas imediações (Ex. Grand Canyon, Zion, etc.).  Outra vantagem de não ficar em Las Vegas no fim de semana é evitar os preços bem mais salgados dos hotéis.

Las VegasOnde ficar

Fique nos hotéis localizados na Strip!!  Se você for fazer passeios turísticos na região (Ex. Grand Canyon, Zion, etc.) planeje ficar em hoteis diferentes na cidade antes e depois do passeio.

A vantagem é que por exemplo, você pode escolher na chegada da cidade ficar em um hotel na área do Cassino Escalibur ou New York-New York e após fazer os passeios e retornar à cidade ficar em hotéis na região do Cassino Flamingo e Cassino Paris.

Las VegasAo ficar em hoteis em áreas diferentes da Strip procure explorar os arredores em busca de shows, restaurantes, etc. Esta estratégia evita que você faça deslocamentos cansativos e desnecessários caso fique o tempo todo em um único cassino!  Tenha em mente que durante a semana, os preços são bem acessíveis mesmo nos hotéis de luxo!

Como se locomover

Use um calçado confortável e se prepare para caminhar muito em Las Vegas! Existem passagens entre alguns Cassinos que facilitam o deslocamento, fique atento pois é possível ir do Cassino Excalibur até o Mandalay Bay passando pelo Cassino Luxor através de confortáveis passagens com ar condicionado, lojas e esteiras rolantes!! Existe também um monorail gratuito que faz o mesmo trajeto pela parte externa destes cassinos!

Las Vegas tem um sistema de transporte público muito eficiente e voltado para as necessidades dos turistas com dois tipos de ônibus, o Deuce (24hs) e o SDX (das 9 da manhã até meia noite). Os ônibus são rápidos e percorrem toda a Strip passando pelas principais atrações indo até o centro  (Downtown Vegas),  Outlet Premium South, Outlet Premium North, Fremont Street, Stratosphere, Cassino Circus-Circus, etc. Maiores informações sobre os ônibus Deuce e SDX podem ser obtidos na internet.

A locação de veículos é muito barata na cidade, mas lembre-se que praticamente todos os cassinos e hotéis cobram o estacionamento. No caso de você for fazer passeios nas imediações (Ex. Grand Canyon, Zion National Park, etc.)  ou fazer compras nos Outlets da cidade, o aluguel de veículos será uma boa decisão, mas  fique ciente que o deslocamento no miolo da cidade  pode ser demorado devido aos congestionamentos!  Tome cuidado para não beber e dirigir pois, como no Brasil, isso não é permitido!

Uma outra possibilidade de se locomover na cidade é usar o  monorail  que passa pelos fundos dos hotéis MGM, Paris, Flamingo e Harrah’s e segue até o Hotel Sahara. Este monorail é pago, sendo necessário comprar ticket para andar.  Existe um outro monorail gratuito que liga os cassinos Mandalay Bay, Luxor e Excalibur.

____________________________________________________________________________
Texto: José Maria