Monthly Archives: Dezembro 2008

Desejo

Desejo primeiro que você ame,
E que amando, também seja amado.
E que se não for, seja breve em esquecer.
E que esquecendo, não guarde mágoa.
Desejo, pois, que não seja assim,
Mas se for, saiba ser sem desesperar.

Desejo também que tenha amigos,
Que mesmo maus e inconseqüentes, sejam corajosos e fiéis,
E que pelo menos num deles você possa confiar sem duvidar.
E porque a vida é assim,

Desejo ainda que você tenha inimigos.
Nem muitos, nem poucos,
Mas na medida exata para que, algumas vezes,
Você se interpele a respeito
De suas próprias certezas.
E que entre eles, haja pelo menos um que seja justo,
Para que você não se sinta demasiado seguro.

Desejo depois que você seja útil,
Mas não insubstituível.
E que nos maus momentos,
Quando não restar mais nada,
Essa utilidade seja suficiente para manter você de pé.

Desejo ainda que você seja tolerante,
Não com os que erram pouco, porque isso é fácil,
Mas com os que erram muito e irremediavelmente,
E que fazendo bom uso dessa tolerância,
Você sirva de exemplo aos outros.

Desejo que você, sendo jovem,
Não amadureça depressa demais,
E que sendo maduro, não insista em rejuvenescer
E que sendo velho, não se dedique ao desespero.
Porque cada idade tem o seu prazer e a sua dor e 
È  preciso deixar que eles escorram por entre nós.

Desejo por sinal que você seja triste,
Não o ano todo, mas apenas um dia.
Mas que nesse dia descubra
Que o riso diário é bom,
O riso habitual é insosso e o riso constante é insano.

Desejo que você descubra,
Com o máximo de urgência,
Acima e a respeito de tudo, que existem oprimidos,
Injustiçados e infelizes, e que estão à sua volta.

Desejo ainda que você afague um gato,
Alimente um cuco e ouça o joão-de-barro
Erguer triunfante o seu canto matinal
Porque, assim, você se sentirá bem por nada.

Desejo também que você plante uma semente,
Por mais minúscula que seja,
E acompanhe o seu crescimento,
Para que você saiba de quantas
Muitas vidas é feita uma árvore.

Desejo, outrossim, que você tenha dinheiro,
Porque é preciso ser prático.
E que pelo menos uma vez por ano
Coloque um pouco dele
Na sua frente e diga “Isso é meu”,
Só para que fique bem claro quem é o dono de quem.

Desejo também que nenhum de seus afetos morra,
Por ele e por você,
Mas que se morrer, você possa chorar
Sem se lamentar e sofrer sem se culpar.

Desejo por fim que você sendo homem,
Tenha uma boa mulher,
E que sendo mulher,
Tenha um bom homem
E que se amem hoje, amanhã e nos dias seguintes,
E quando estiverem exaustos e sorridentes,
Ainda haja amor para recomeçar.

E se tudo isso acontecer,
Não tenho mais nada a te desejar”.

____________________________________________
Victor Hugo

Endless Road (Chile Motorcycle Adventure Tour)

And so, after a long wait, in an ordinary morning of a day like any other, I put our luggage on the motorcycle, met my friends, and for the adventure we went!

In 23 days of journey and 5,000 miles from start to finish, our bikes had their share. Along the way many challenges awaited for us, but in our experience wind, rain, ice or height were no obstacles.

In the end, nothing stayed on our way or prevented us from reaching our goal and to come back safe and sound. And nothing was better than returning to find that the road that begins at our door is endless.

DSC00358SepiaHSpeqFar worse than climbing up and down the frigid Andes would be not even getting there or never having left the familiar roads of our lives. Even if only to realize how warm and comfortable they are.

I felt an undescribable sensation driving around ices so far away from home. In this journey, I discovered that we need to travel on our own, not through stories, pictures, books or TV. We need to travel following our own eyes and feet (or wheels!) to better understand our limits and fears and then we can live the fullness of all wonders around us.

We need to know the cold to enjoy the warmness, to feel the distance and homelessness in order to appreciate being under our own roof. We need to travel to places we don´t known to break down the arrogance that makes us see the world as we imagine, and not simply as it is.

That makes us teachers and doctors of things we never knew…
When we should just be students and go to learn!

_________________________________________________________________________________________

Texto: José Maria (adaptação livre do livro “Mar sem Fim” do Amyr Klink)
Imagens: Integrantes da viagem
Viagem ao Chile, em  Novembro de 2008, feita por integrantes do HOG Campinas

Estrada sem Fim (de moto rumo ao Chile)

E assim, depois de muito esperar, numa  manhã de um dia como outro qualquer, colocamos nossa bagagem na motocicleta, e junto com amigos, partimos para a aventura!

Em 23 dias de viagem e nos mais de  8 mil km rodados, do início ao fim, as nossas motos fizeram a sua parte.  Ao longo do caminho, muitos desafios nos esperavam, e em nossa provação nem o vento, nem a chuva, nem o gelo nem a altitude foram obstáculos.

No fim nada impediu nosso caminho, nem que cumpríssemos a nossa meta e voltássemos íntegros em nossas motos.
E nada foi melhor do que voltar para descobrir que a estrada que parte da nossa porta não tem mesmo fim.

DSC00358SepiaHSpeqPior do que passar frio subindo e descendo as montanhas dos Andes seria não ter chegado até lá, ou nunca ter deixado as  conhecidas estradas das nossas vidas.  Mesmo que fosse apenas para descobrir o quanto  elas são quentes e confortáveis.

Eu senti um estranho bem-estar ao contornar gelos tão longe de casa.

Nesta viagem descobri que precisamos viajar por nossa conta, não por meio de histórias, imagens, livros ou TV.
Precisamos viajar com nossos próprios olhos e pés (ou rodas!) para entender melhor os nossos limites e medos, e com isso podermos viver a total plenitude das maravilhas que nos cercam.

Precisamos conhecer o frio para desfrutar do calor e o oposto, sentir a distância e o desabrigo para estar bem sob o próprio teto.  Precisamos viajar para lugares que não conhecemos, para quebrar a arrogância que nos faz ver o mundo como imaginamos, e não simplesmente como ele é.

Que nos faz professores e doutores do que não vimos…
Quando deveríamos  ser alunos e simplesmente ir ver !!

_________________________________________________________________________________________

Texto: José Maria (adaptação livre do livro “Mar sem Fim” do Amyr Klink)
Imagens: Integrantes da viagem
Viagem ao Chile, em  Novembro de 2008, feita por integrantes do HOG Campinas